Ele chegou ao estúdio sem ter dormido, depois de na noite anterior ter conduzido a estreia de “Big Brother – Duplo Impacto”. Já ela chegou às 7 h da manhã, com os nervos à flor da pele e pronta para cumprir uma série de rituais: afinal de contas, estava a realizar o seu sonho profissional de 15 anos. Foi assim que a nova dupla das manhãs da TVI começou esta aventura em “Dois às 10”, precisamente há um ano. 

Quatro de janeiro de 2021 será para sempre uma data especial para Cláudio Ramos e Maria Botelho Moniz. E a dupla da TVI não podia fazer um melhor balanço destes 12 meses. Já eram bons amigos antes de se tornarem par nas manhãs, mas a química entre eles tem vindo a crescer, assim como a vontade mútua em continuarem a dar o seu melhor diariamente para agradar aos espectadores.

“Está a ser ainda melhor do que eu esperava. Fico comovida só de falar nisso… Um ano passou a correr. Penso no que já fizemos, dissemos, nas pessoas que já recebemos, o que já chorámos, o que rimos, o que já dançámos e pulámos. Já fizemos muita coisa. E tem sido tão bom. Temos dado o nosso melhor e acho que isso ninguém poderá dizer o contrário. Todos os dias tentamos fazer mais e melhor”, afirma à TvMais a apresentadora, de 37 anos.

O colega e amigo, que já havia passado por outros programas matinais na SIC, tem a mesma opinião. “Fazemos um grande programa de televisão. Acho que as pessoas não têm noção disso. Parece que foi ontem que estávamos atrás do painel para entrarmos os dois pela primeira vez. É muito bom! Eu e a Maria temos uma coisa boa que é darmo-nos muito bem, o que é meio caminho andado para uma dupla de televisão. Digo-lhe uns disparates em voz baixa que só ela ouve (risos). Depois temos o privilégio de fazermos no programa aquilo que queremos. Não nos impõem nada! Escolhemos tudo com a nossa coordenação. Fazemos aquilo que gostaríamos de ver em nossa casa”, revela o apresentador, de 48 anos.

Palavras-chave

Aproveite esta oferta especial, assine a TvMais por apenas €1,30/edição. ASSINE JÁ

Mais no portal