Iniciou este domingo, dia 18 de fevereiro, o “Festival da Canção RTP”, programa emblemático que marcou a agenda dos portugueses durante décadas. Depois desta primeira semifinal está agendada para a próxima semana uma segunda. De uma lista de 26 músicas, este domingo os portugueses escolheram sete canções bastante diferentes entre si. Do fado ao jazz, da soul ao folk, houve canções para todos os gostos e apreciações do júri, que contou com Júlio Isidro como presidente e Tozé Brito como vice-presidente. Com apresentação a cargo de Jorge Gabriel e José Carlos Malato, a final está agendada para dia 4 de março, no Pavilhão Multiusos, em Guimarães.

Beatriz Pessoa interpretou “Eu te amo”, a convite da cantora brasileira Mallu Magalhães. Canta e toca piano, estudou na Escola Superior de Música e Lisboa e no Hot Club de Portugal. Recebeu 11 pontos do júri.

Anabela interpretou “Pra te dar abrigo”, letra de Tiago Torres da Silva e música de Fernando Tordo. Aos 41 anos, a intérprete de “A cidade (até ser dia)” dispensa apresentações. Aos 16 anos representou Portugal no Festival “Eurovisão da Canção” 1993, em Millstreet, Irlanda. Gravou vários discos e tem um longo percurso dedicado aos palcos, quer pela via das canções, quer pela via dos musicais. Recebeu 13 pontos.

Catarina Miranda cantou “Pra sorrir eu não preciso de nada”, com letra de Camila Ferraro e Júlio Resende. Aprendeu a tocar guitarra com o pai e não mais parou. Passou pelo Conservatório Regional de Vila Real, de onde é natural, e divide o seu tempo entre a música e a moda: tem uma loja online com criações de Emília Caracol, o nome com que assina e que se explica com uma história de infância: quando era pequena diziam-lhe que tinha cara de Emília. Em exe quo com Janeiro tornou-se a segunda canção mais votada com 16 pontos.

Janeiro cantou “Sem título”. Os portugueses não tardaram em estabelecer comparações entre este jovem de 23 anos e o vencedor da edição anterior desta competição, Salvador Sobral, que apareceu ao lado, revelando o seu apoio. Nascido em Coimbra, licenciou-se em Musicologia na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Estudou também no Hot Club de Portugal e, apesar da sua tenra idade é visto como uma promessa. Em exe quo com Catarina Miranda tornou-se a segunda canção mais votada com 16 pontos.

Joana Espadinha interpretou “Zero a Zero”, com letra e música de Benjamim. Apesar do apelido fazer lembrar o cantor portugues Victor Espadinha, não existem parentescos entre estes músicos. Estudou no Hot Clube de Portugal e, mais tarde, no Conservatório de Amesterdão. É licenciada em jazz. Recebeu sete pontos.

Joana Barra Vaz cantou “Anda estragar-me os planos”, com composição e letra de Francisca Cortesão e Afonso Cabral. É realizadora, argumentista e compositora e assume-se como autodidata na guitarra. Tem formação em paino clássico, argumento e som para cinema e soma colaborações. Recebeu um total de oito pontos.

Peu Madureira interpretou “Só por ela”, com letra de Diogo Clemente. Recebeu 22 pontos e tornou-se a canção mais votada. O jovem fadista de 31 anos tem no fado as suas raízes.

festival-da-cano-2018---1-semifinal--imprensa_39639336614_o.jpg

Aproveite esta oferta especial, assine a TvMais por apenas €1,30/edição. ASSINE JÁ

Mais no portal